robsonmoulin@gmail.com
(11) 9.8655-2539

A Evolução da Escrita


A invenção da escrita é uma das maiores realizações do homem na terra. O livro A Evolução da Escrita de Carlos M. Horcades trata todo o processo de evolução da escrita e a experiências e criações dos tipógrafos antigos. Desde a época dos primeiros símbolos que foram escrito em pedras para que o homem pudesse registrar seus conhecimentos até a forma como usamos hoje.

A Invenção da Escrita

Pelo fato de os homens não conseguirem passar seus conhecimentos para as gerações seguintes ouve-se a necessidade de criar a escrita. Os vestígios mais antigos de escrita feita pelo homem foram em plaquetas de barro do templo da cidade de Uruk, feitas aproximadamente 6.000 anos atrás, com listas de cereais e cabeças degado. Nesta época eram feitos desenhos pictográficos que simbolizavam palavras.

Nesta época também é marcada pela escrita cuneiforme dos sumérios, que foi adotada posteriormente pelos babilônios, assírios, elamitas e hititas.

Os egípcios também desenvolveram sua escrita, os hieróglifos, que era pintada em papiro ou gravada em relevo em materiais duros ou em barro mole.

Com a junção de todas essas escritas surgiu na região da Terra de Canaã, atual Palestina, um alfabeto razoavelmente simples, com 25 ou 30 caracteres combinando elementos dos quatro principais: cuneiforme sumério, pictográfico hitita, escrita de Micenas e hieróglifos egípcios. Em 1000 a.C, o alfabeto protocanaanita sofre transformações e é reduzido para 22 caracteres, passando a se chamar alfabeto Fenício.

Os Fenícios um povo mercador, saiam pelos mares vendendo seus objetos vendeu seu alfabeto como “mercadoria” e desembarcou na Grécia, onde foi transformado para o grego arcaico.

A Evolução

A evolução da escrita pode ser dividia em:

  • O Alfabeto Latino
  • A Idade Média
  • A Renascença
  • A Nova Letra
  • O Século XIX

O Alfabeto Latino

O alfabeto Latino nasce em 700 a.C descendendo do grego arcaico, era escrito da direita para a esquerda em ziguezague. Os romanos, no ano 100 d.C, tinha quatro letras em uso:

  • Capitalis Romana ou Capitalis Monumentalis era uma letra monumental, que só existia em caixa alta usada em arquiteturas, nas fachadas, prédios e monumentos.
  • Quadrata era uma letra imponente usada para livros públicos, documentos e situações formais, sua escrita era lenta e trabalhosa e não havia espaços entre as palavras.
  • Rústica Romana, uma letra informal também não havia espaços entre as palavras e possuía serifas grandes.
  • Cursiva Romana, esta letra era usada no cotidiano era escrita com pena de ponta fina.

A partir de 500 d.C começa aparecer à letra Uncial ou Insular, vinda do Norte da Europa, Inglaterra e Irlanda. Sua forma é arredondada, com serifas bem desenhadas com traçado elegante.

Nesta época como não existia a impressão os livros eram considerados grandes obras de reis, precisavam de muitas pessoas para trabalhar na confecção desde iluministas, tradutores, pesquisadores e copistas tudo era feito em ateliês de escribas.

A Idade Média

Para que os livros ficassem menores e portáteis era preciso letras menores, e neste período surge a letra gótica que tem um desenho solene e severo, trazendo a formalidade da Idade Media.

Nascida na frança, a Gótica espalha-se por toda a Europa sua característica de pontas afinadas vem da arquitetura da época onde as catedrais e castelos tinham essas características, a posição do homem na época também era diferente onde sua importância era após a morte e não durante a vida. Tudo isso se reflete na letra solene, escura e severa.

A Renascença

No século XV aparece a Renascença uma das épocas mais criativas da existência humana. Nessa época com diversas conquistas, e maior acumulo de riqueza o homem abandona a servidão da Idade Média, e passa a se valorizar e criar valores como a moral, estética, arte filosofia e religião.

Nesse período foram criadas letras mais arredondadas, visualmente mais leves e mais legíveis, usou-se mais espaçamento entre as palavras, pela primeira vez foi criado alfabetos completos, com caixa alta e caixa baixa. As letras maiúsculas foram inspiradas do Capitalis Romana e as minúsculas de Carolíngia.

A maior figura da Renascença, na arte das letras, foi Johannes Gutenberg. Nascido na Mogúncia (atual Mainz) provavelmente em 1394 e 1399. Em Estrasburgo, França, Gutenberg residiu e imprimiu a Bíblia de 42 linhas, provavelmente na gráfica que montou com os oitocentos ducados emprestados. Considerado o primeiro livroimpresso no mundo, a bíblia de Gutenberg é composta em Textura, uma gótica muito em moda na época, a tinta era uma mistura de óleo de linhaça com negro de fumo.

Em 1460, o primeiro alfabeto romano completo foi desenhado por Nicholas Jenson, Frances nascido em Sommevoire e radicado em Veneza.

Aldus Manutius 1449-1515. Foi o grande impressor dos intelectuais da Renascença.

Aldus foi um dos grandes mestres de impressos da historia da tipografia.

Os tipógrafos eram a elite de intelectuais que trabalhavam com as tecnologias mais modernas da época. Um exemplo de tipógrafo na época Renascentista foi Francesco Griffo, como o nome já diz Grifo, grifado, ele foi o inventor da letra grifada ou itálica. Outros tipógrafos importantes da época foram Luca Pacioli, Sigismondo Fanti, Francesco Tornielo, Giovani Baptista Verini e Vicentino. No século XVI, todos os impressos já utilizavam itálicas, sendo o desenho de Aldus o mais difundido.

Vicentino também um grande tipógrafo da época desenhava letras que diferenciava de Aldus e Griffo em vários aspectos. Vicentino tinha uma pequena gráfica, sua letra era espaçosa e farta de ascendentes e descendentes e raramente era usado corpo inferior a 16.

Numa época marcada por grandes tipógrafos Chrisophe Plantin também tem sua historia neste período, criando a bíblia poliglota impressa em caldeu, grego, siríaco, hebreu e latim, foi composta com tios itálicos desenhados por Granjon, que também imprimiu caracteres em árabe.

Com a chegada do século XVI, os tipos franceses começaram a se impor sobre os italianos, acrescentando delicadeza e refinamento as letras. Um dos principais tipógrafos dessa época foi Claude Garamond. Nascido em Paris em 1490, desenhou a família Garamond. Segundo pesquisas a letra Garamond é uma das mais legíveis do mundo. Em 1545 fundou sua própria editora.

Em 1421, William Caxton também teve sua participação na historia da tipografia, nascido na Inglaterra imprimiu o primeiro livro na língua inglesa no ano de 1476, houve a tentativa de unir o estilo gótico a uma escrita mais informal, resultado foi a letra Civilité que caiu em desuso.

No Começo do século XVI, Albrecht Durer, publicou o livro Of the Just Shaping of Letters, tendo uma construção sistematizada de um alfabeto desenhado por ele com base em princípios geométricos. Em um século depois XVII, uma nova técnica é criada e foi muito utilizada pelos ingleses, impressão por chapa de cobre. Nessa técnica, sulcos são feitos à mão na chapa entintada, que é impressa manualmente em uma prensa.

Neste mesmo período, fim do século XVI, foi a época da tipografia holandesa entrar em cena, comparados a Garamond as diferenças estão no peso maior, dimensões avantajadas em algumas letras de caixa-baixa e itálicas irregulares. A tipografia holandesa atendia a classe média da época, com tipos práticos e comerciais.

É nesta época que surge Philipe Grandjean (1666 – 1714), diretor da gráfica real de Luis XIV, a Imprimerie Royale, desenhou um novo tipo que diferia de todos os anteriores, essa nova letra tinha ênfase razoavelmente vertical e suas serifas eram mais finas.

William Caslon (1692 – 1766) nasce também neste mesmo período e foi o primeiro no negocio de gravação de armas de fogo em Londres, passou a gravar cunhos para a encadernação de livros.

No Século XVIII trouxe a pré-revolução industrial, a letra também foi influenciada. Seu desenho foi aprimorado e simplificado, e os ingleses assumiram lugar de destaque nas artes gráficas. John Baskerville (1706 – 1775) foi o maior impressor inglês, produziu fontes claras, clássicas, com ênfase vertical. Baskerville também é responsável pelas invenções na arte de impressão, como novas tintas, impressoras mais rápidas e mais precisas, e uma grande contribuição que foi o papel vitela.

A Nova Letra

No fim do século XVIII, começou-se a desenhar letras com larguras iguais e a padronizar as curvas, os ângulos, as espessuras e as dimensões dos novos alfabetos. Os impressores mais importantes da época foram: Giambattista Bodoni (1740 – 1813), François Didot (1689 – 1757).

O Século XIX

Este século é marcado com a invenção das famílias tipográficas sem serifas e um movimento libertário em relação ao formato das letras, que se viram deformados e distorcidos na forma e nas proporções, sem limites e sem critério.

Começou a ser usada tipografia comercialmente, sem nenhum controle estético, letras ilegíveis, obesas, paginas desalinhada e margens desproporcionais aos textos. No final do século XIX, houve a vontade de reconstituir a tipografia com os meus moldes da tipografia de Gutenberg. William Morris (1834 – 1896) fundou sua gráfica e propôs a reestruturar todo o processo que resultou na invenção da imprensa. Começou pelo papel, muito encorpado e parecido com os velhos papeis do século XV.

Morris e seus colaboradores desenharam, decoraram e imprimiram livros históricos. Neste mesmo século surgiram também diversos movimentos:

Art Nouveau – Mostrou-se exuberância de formas curvas, forneceu-nos exemplos de tipologia que incorporam todas as características que os objetos, as ilustrações e arquitetura trouxeram.

O Novo Grafismo – Um novo conceito de programação visual que norteariam a evolução do design gráfico e da tipografia a partir de então.

Dadaismo – Trouxe um novo conceito a tipografia no que se refere a diagramação, misturou famílias, caixa-alta e caixa-baixa, alinhamentos, espaços em brancos e capitulares.

Bauhaus – Em 1920, Bauhaus revolucionou, com letras geométricas construídas racionalmente. Pensou-se em abolir a caixa-alta, a serifa, e em usar letras em caixa-baixa apenas. O design de letras, a arquitetura e a arte caminharam juntos à sombra do construtivismo.

Art Déco – Também acompanhou o geometrismo, com exemplos presentes até hoje.

Entre os grafistas mais importantes dessa época estão:

Rudolf Koch – Autor dos tipos Kabel, Jessen e Neuland.

Stanley Morison – Autor do tipo famoso Time New Roman.

Paul Renner – Autor dos tipos Futura Bold, Futura Light, Topic.

Morris Fuller Benton – Autor de cerca de duzentas fontes onde as principais são:

Century Expanded, Linotex, Cheltenham, News Gothic, Century Oldstyle, Hobo,

Souvenir, Clearface, Parisian, Novel Gothic, Chic, Modernique, Broadway, Bulmer,

Bank Gothic, American Text, Tower, Phenix, Century Roman, Alternate Gothic e

Franklin Gothic.

Jan Tschichold – Autor dos tipos Sabon, Transito e Saskia.

Hermann Zapf – Autor do tipos Gilgengart, Palatino, Michelangelo, Aldus, Melhor,

Optima, Hunt Roman, Medici, Orion, Zapf Chancery e Aurelia.

Edward Johnston – Autor do tipo Johnston Railway Type.

Eric Gill – Autor dos tipos Golden Cockerel Roman, Perpetua e Gill Sans.

Max Miedinger – Autor do tipo de alta legibilidade a Helvética e os tipos Horizontal e

Pro Arte.

Adrian Frutiger – Autor dos tipos Univers 55, Frutiger e Serifa.

Aldo Novarese – Autor dos tipos Landi Linear, Eigno, Fontanesi, Egizio, Juliet, Ritmo,

Garaldus, Slogan, Recto, Estro, Eurostile, Forma, Magister, Metropol, Stop, Lapidar,

Fenice, Novarese, Expert, Colossal, ITC Symbol, ITC Mixage e Arbiter.

Herb Lubalin – Autor dos tipos Avant Garde, Serif Gothic e Lubalin Graph.

Mathew Carter – Autor dos tipos Cascade Script, ITC Galliard e Gando Ronde.

Ed Benguiat – Autor dos tipos Benguiat, Benguiat Gothic e Bauhaus.

Neville Brody – Autor dos tipos Type Face Five, Type Face Two e Blur.

Zuzana Licko – Autor dos tipos Modula Tall, Matrix in Line Extra Bold e Dogma.

Conclusão

 

Uma leitura através da historia o livro mostra praticamente tudo que se possa conhecer sobre todo o processo de evolução de um meio de comunicação mais importante, a escrita, pude compreender o motivo de o porquê nossas fontes tipográficas são tão belas e diversificadas nos dias de hoje e como utilizá-la para cada tipo de trabalho que eu possa realizar graficamente.

publicidade
publicidade
publicidade

Agora que você terminou de ler esse artigo

Que tal visitar nosso portfólio ou conhecer todas as soluções que oferecemos para você.